Filhos doam órgãos da mãe após morte cerebral para superar tristeza

Priscila Furtado (Foto: Reprodução / TV TEM)

Uma família de Ourinhos (SP) deu uma linda demonstração de solidariedade e amor ao próximo. Depois da morte da mãe, Priscila Furtado e seus irmãos decidiram doar o fígado, os rins e as córneas dela. Ajudar outras famílias foi a maneira encontrada por eles para superar a tristeza de perder a mãe. “Ela ensinou que a gente deve sempre fazer boas ações, ser generosa. A gente se coloca no lugar dessas pessoas”, conta Priscila.

Os órgãos que estavam em boas condições foram armazenados em sacos plásticos com gelo e levados rapidamente para Marília, onde vão ajudar outras pessoas e realizar a vontade da doadora. “A gente crê que na vida de outras pessoas que precisam ela está viva. É isso que nos conforta”, acredita Priscila.

Mas a escolha da família da Priscila ainda representa a minoria. A fila de quem espera por uma doação e maior do que a de doadores. Os médicos dizem que a razão para esta conta injusta é que, entre outras coisas, falta diálogo. “O que importa é saber que doação de órgãos é uma coisa séria. A gente segue uma norma mundial, de exames clínicos, complementares, de imagem, avaliado por mais de um médico para chegar a conclusão que aquele paciente está em morte encefálica”, explica o médico Marcelo Santoni.

O enfermeiro André Moreira coordena o setor de captação de órgãos em Ourinhos. Ele diz que no Brasil a fila de espera de um órgão passa de 32 mil pessoas. Por isso a doação é fundamental, mas ainda existe muita resistência. “Para uma população de 100 mil habitantes, até agora dez pacientes foram abordadas com o processo de morte encefálica e apenas três aceitaram.”

Quem já precisou de um órgão, sabe da importância da doação. Akira Okazaki sofreu muito até ganhar um novo fígado há cinco anos e hoje se sente outra pessoa. “Eu praticamente voltei a viver, dar mais valor para a vida, porque antes eu não tinha qualidade de vida.”

Akira Okazaki (Foto: Reprodução / TV TEM)

A atitude dessa família ainda é uma exceção, apesar das campanhas e de muito se falar no gesto de amor e solidariedade que representa a doação de órgãos. Na região, pelo menos três hospitais são referência na captação de órgãos e teriam condições de salvar muito mais vidas se houvesse conscientização.

Fonte: G1

Nenhum comentário

Regras para comentar

• Faça comentário em relação ao tema abordado na postagem.
• Não serão publicados comentários com erros de ortográficos e escritos EM CAIXA ALTA.
• Não serão publicados comentários com propagandas e spans.
• Não serão publicados comentários obscenos, ilegais e ofensivos.

A Equipe do Jornal Tribuna de Ouro agradece sua colaboração.

Contato: tribunadeouro@gmail.com

Tecnologia do Blogger.